INFORMAÇÕES E SERVIÇOS PARA O CIDADÃO
ADAPI - Agência de Defesa Agropecuária do Estado do Piauí
Mapa das USAV's
Últimas Galerias de Fotos
FISCALIZAÇÃO JAICÓS
FISCALIZAÇÃO JAICÓS
 
EXIGÊNCIAS ZOOSSANITÁRIAS EXPOAPI.
EXIGÊNCIAS ZOOSSANITÁRIAS EXPOAPI.
EDUCAÇÃO SANITÁRIA
EDUCAÇÃO SANITÁRIA
 
VACINAÇÃO CONTRA A FEBRE AFTOSA 2021
VACINAÇÃO CONTRA A FEBRE AFTOSA 2021
+ Mais Galerias de Fotos...
PECRH

O Programa Estadual de Controle da Raiva dos Herbívoros tem como objetivo o controle da ocorrência da Raiva de herbívoros no Brasil e não a convivência com a doença, contribuindo assim para o crescimento do setor agropecuário, diminuindo os prejuízos aos produtores e ao mesmo tempo promovendo a saúde única, já que a raiva é uma zoonose, através do controle dos morcegos hematófagos, cadastramento de abrigos assim como ações de educação sanitária.

Como estratégias do programa temos:

* Controle da população de morcegos hematófagos;

* Cadastramento de propriedades rurais, cadastramento e monitoramento de abrigos de morcegos hematófagos;

* Execução da vigilância nas áreas ou propriedades de risco;

* Atendimento aos focos da doença;

* Educação em saúde;

* Orientação da vacinação de herbívoros domésticos.

Alguns fatores contribuem para o aumento dos casos de raiva nos herbívoros, como:

* Alterações no meio ambiente que acontecem principalmente por desmatamento, crescimento das cidades, ampliação de rodovias, onde alteraram o meio ambiente e o habitat natural destes morcegos hematófagos, fazendo com que os mesmos procurem novos locais para se abrigar assim como novas fontes de alimentação;

* Crescimento da população dos morcegos hematófagos devido ao aumento da oferta de alimentos;

* Baixa cobertura vacinal dos animais.

 

Atualmente o PECRH segue as orientações da Legislação Federal do Ministério da Agricultura, que aprova as Normas Técnicas para o Controle da Raiva dos Herbívoros no Brasil (Instrução Normativa Ministerial nº 5, de 1º de março de 2002).

É importante que o produtor rural realize as vacinações periódicas contra a raiva do seu rebanho, com a finalidade de prevenir a doença, já que a raiva não tem cura. Em caso de animais com sintomatologia neurológica, presença de sinais de mordeduras de morcegos hematófagos ou presença de abrigos de morcegos em sua propriedade, o produtor deve notificar a ADAPI em qualquer um dos seus escritórios para que possa ser realizado o atendimento.

 

PNEEB

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento – MAPA, atento à vigilância da doença no país, criou o Programa Nacional de Prevenção e Vigilância da Encefalopatia Espongiforme Bovina (PNEEB), popularmente conhecida como Doença da Vaca Louca. Apesar de nunca ter sido notificada no Brasil, mas devido à preocupação da população com esta doença, por representar riscos à saúde humana e consequentemente riscos à comercialização de animais, produtos e subprodutos de origem animal, são adotadas diversas medidas de prevenção e vigilância da EEB, com a finalidade de assegurar a saúde da população, assim como a sanidade dos rebanhos.


O PNEEB tem como objetivos evitar a entrada do agente da encefalopatia espongiforme bovina - EEB no território Nacional; aplicar medidas de mitigação de risco, para evitar eventual difusão do agente da EEB no país; e manter um sistema de vigilância para detecção de animais infectados por encefalopatias espongiformes transmissíveis.


O PNEEB abrange todo o território nacional e, desde 2012, o Brasil é categorizado pela Organização Mundial de Saúde Animal como de “risco insignificante” para EEB, ou seja, o menor e melhor grau de risco da classificação.

 



Agência de Defesa Agropecuária do Piauí
Rua 19 de Novembro, 1980 - Morro da Esperança
Teresina-PI - CEP 64.002-000 Telefone: (86) 3221-7142